Pular para o conteúdo
Voltar

Aprendizagem dos alunos das escolas estaduais de MT melhora 18,9% em 2022, aponta indicador da FGV

Os resultados refletem o empenho do Governo do Estado em promover a recuperação da aprendizagem na educação pública
Rui Matos | Seduc-MT

Wesley Rodrigues
A | A

As avaliações realizadas em 2022 pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT), em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), com estudantes do ensino fundamental e médio apresentaram resultados positivos em todas as séries. Os indíces são reflexos dos investimentos feitos pelo Governo de Mato Grosso na aprendizagem de forma contínua, sobretudo nesse período de pós-pandemia da Covid-19.

Os números foram apresentados nesta quinta-feira (19.01) pelo secretário de Estado de Educação, Alan Porto, e pelo ex-ministro da Educação e diretor do Centro de Desenvolvimento da Gestão Pública e Políticas Educacionais da FGV, Henrique Paim.

Segundo o IPEA - Indicador do Processo de Ensino e Aprendizagem -, que é aplicado pela FGV bimestralmente, além de uma avaliação somativa anual, a aprendizagem apresentou média de 5,10 no IPEA e crescimento global no período entre fevereiro e dezembro do ano passado de 18,9%.

As avaliações analisaram a evolução da aprendizagem por meio das provas realizadas pelos estudantes do 2º ao 9º ano do ensino fundamental e do 1º ao 3º ano do ensino médio durante o ano. Em todas as séries, o resultado foi positivo, proporcionando um cenário ainda mais decisivo para o cumprimento das metas definidas no Programa Educação 10 Anos.

“Essa avaliação faz parte do contrato do Sistema Estruturado de Ensino entre o Governo do Estado e a Fundação Getúlio Vargas. Ela valida todos os nossos esforços em busca da qualidade total nos resultados e nas metas do Programa Educação 10 Anos, que vai colocar a Rede Estadual de Educação entre as cinco mais bem avaliadas pelo Ideb até 2032”, avaliou Alan Porto.

Para Paim, essa avaliação é uma forma eficiente de diagnosticar o nível de aprendizagem de cada aluno, dos professores e até de cada escola”. Ele destaca que a função é verificar o quanto do conteúdo ensinado foi absorvido pelos estudantes e analisar se eles estão conseguindo acompanhar a programação curricular. “A partir dessa análise, que nos animou muito, a Seduc-MT pode alterar ou definir novas metas”, destacou. 

A Fundação Getúlio Vargas também finalizou, em 2022, os dados sobre a Avaliação Diagnóstica de todas as unidades de ensino e estudantes da rede estadual. Os dados também subsidiam as decisões pedagógicas adotadas pela Seduc-MT.

Para cada situação é preciso uma estratégia e uma intervenção diferente no fortalecimento da aprendizagem. Tanto a avaliação somativa quanto a avaliação diagnóstica mostra a realidade e indica as tomadas de decisões nesse sentido para o ano letivo atual e os próximos planejamentos.

No caso da avaliação diagnóstica, feita entres os meses de maio e junho, revela a realidade de cada escola e de cada aluno da rede estadual. “Essa avaliação também é fundamental, porque é com base nela que vamos trabalhar as ações para melhorar a qualidade do ensino que ofertamos e a aprendizagem dos nossos estudantes”, enfatizou Alan Porto.

Também participaram da apresentação o secretário-adjunto Executivo, Amauri Monge Fernandes, e a secretária-adjunta de Gestão Educacional, Mozara Spencer.