Pular para o conteúdo
Voltar

Seduc promove formação sobre combate ao trabalho escravo

Representantes de oito Diretorias Regionais de Educação (DREs) receberam orientações de como trabalhar essa temática no currículo das escolas
Rebeca Cruz | Seduc-MT

Divulgação
A | A

A Secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT), em parceria com a ONG Repórter Brasil, promoveu o projeto “Escravo, nem pensar!”, para formação sobre a prevenção do trabalho escravo contemporâneo. Em três dias de evento, representantes de oito Diretorias Regionais de Educação (DREs) receberam orientações de como trabalhar a temática no currículo das escolas para a conscientização da comunidade escolar. O encontro aconteceu na Escola Estadual Militar Dom Pedro II – Presidente Médici, em Cuiabá.

Durante os dias 11, 12 e 13 de abril, foram abordados temas como os aspectos conceituais e legais sobre o trabalho escravo, instrumentos utilizados para combate do problema, além de temas correlacionados como migração e crimes ambientais.

A coordenadora geral do projeto, Natália Suzuki, explica que a escolha das DREs levou em consideração a quantidade de casos de trabalho escravo e de aliciamento de trabalhadores nos municípios. “O Estado de Mato Grosso é o segundo com mais casos de trabalho escravo e número de trabalhadores regatados no país. É de extrema importância que os jovens, que logo vão ingressar no mercado de trabalho, conheçam os direitos dos trabalhadores”.

Ela acrescenta que a parceria entre o projeto e o Estado contribui de diversas formas para a Educação, tanto para a formação de cidadãos conscientes quanto para a mobilização social e prevenção do problema.

A formação visou instruir profissionais das equipes das DREs sobre a temática para que posteriormente possa ser desenvolvida nas unidades escolares. De acordo com Suzuki, a iniciativa pretende alcançar 382 escolas de 67 municípios.

Participaram da formação professores formadores, assessores pedagógicos e coordenadores de formação e gestão das DREs de Alta Floresta, Cáceres, Confresa, Cuiabá, Juína, Querência, Tangará da Serra e Várzea Grande.  

“A adesão da Seduc MT com o projeto é motivo de alegria e aplausos dada a relevância social da temática na atualidade. Foi enriquecedor aprender sobre essa política nacional e as linhas de atuação de repressão, prevenção e mobilização social”, relatou a formadora de Língua Portuguesa da DRE de Confresa, Eliene Coelho da Silva.