Pular para o conteúdo
Voltar

Seduc realiza primeiro encontro para trabalhar empreendedorismo e sustentabilidade nas escolas

Serão dois dias de socialização de atividades e projetos que estão sendo desenvolvidos nas unidades escolares do campo e quilombola e também pelas escolas urbanas, com práticas da horta escolar
Natália Leão | Seduc-MT

aberes do campo, sustentabilidade e empreendedorismo são foco do encontro neste dia 30.11 e 01.12 - Foto por: David Borges Seduc MT
aberes do campo, sustentabilidade e empreendedorismo são foco do encontro neste dia 30.11 e 01.12
A | A

Estimular a cultura empreendedora: esse é o objetivo do 1º Encontro de Escolas Empreendedoras e Sustentáveis organizado pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT), nesta terça (30.11) e quarta-feira (01.12), no Hotel Fazenda Mato Grosso. Serão dois dias de socialização de atividades e projetos que estão sendo desenvolvidos nas unidades escolares do campo e quilombola e também pelas escolas urbanas, com práticas da horta escolar.

Com foco no pedagógico, os professores e gestores educacionais realizam um intercâmbio de boas práticas referente aos projetos Horta Pedagógica e também Educação Ambiental e Sustentabilidade, que desde setembro deste ano tem sido desenvolvido nas escolas em parceria com a Secretaria de Agricultura Familiar (Seaf).

A abertura do encontro contou com a presença do secretário de Estado de Agricultura Familiar, Silvano Amaral, que frisou a importância da formação dos estudantes alinhada às práticas que fortaleçam a responsabilidade social e econômica, e também a conscientização dos recursos naturais.

“O Governo de Mato Grosso tem investido fortemente na educação pedagógica e o lançamento dos dois editais simbolizam uma política pública que será refletida em práticas ao longo dos próximos cinco anos. Nesse encontro todos poderão ter a consciência de que as hortas escolares seguem três princípios fundamentais, as propostas pedagógicas com outras disciplinas, a prática do aluno com o mundo do setor produtivo e, por fim, o sentido de produzir esse alimento para sociedade”, afirmou o secretário de Estado de agricultura familiar.

O intercâmbio das práticas pedagógicas foi organizado de forma que os próprios professores e coordenadores organizadores dos projetos nas escolas apresentassem as atividades e os desafios na aplicação das propostas junto aos estudantes.

Para a superintendente de diversidades da Seduc, Lúcia Santos, organizar um encontro com profissionais da área ambiental juntamente com os organizadores dos projetos nas escolas é mais do que a continuidade do plano de ensino proposto nos editais, mas sim novas possibilidades pedagógicas.

“Quando pensamos na horta das escolas estamos falando mais do que o plantio de uma alface, é uma proposta de atividades multidisciplinares onde a vivência do plantio e cuidado, no manejo dessas hortas, despertam a importância do cooperativismo, com práticas que valorizam tanto no relacionamento escolar, quanto na comunidade a qual estão inseridos. Reforçamos saberes que, muitas vezes, já eram praticados pelos familiares dos nossos alunos. Possibilitamos o despertar de olhares que podem mudar a realidade em que estão inseridos, uma formação que vai além das práticas de produção e consumo”, relata a superintendente de diversidades.

Além do intercâmbio de boas práticas entre as escolas, temas como Feira de Economia Solidária e Empreendedorismo, Controle de Pragas e uso de defensivos naturais nas escolas, Educação Ambiental e Sustentabilidade nas escolas: possibilidades pedagógicas, entre outros, são alguns assuntos abordados durante os dois dias de evento.





Editorias